No que cremos

Nossas doutrinas são princípios de fé e prática pelos quais a nossa igreja se orienta, conforme fundamento das Escrituras Sagradas do Antigo e Novo Testamento. A nossa igreja expressa sua fé através das seguintes afirmações, que são também a base da sua pregação:

I – Há um só Deus vivo e verdadeiro, soberano, eterno, de infinito poder e sabedoria, criador e conservador de todas as coisas visíveis e invisíveis; que na unidade de Sua divindade há três pessoas de uma só substância, de existência eterna, igual em santidade, justiça, sabedoria, poder e dignidade: o Pai, o Filho (Jesus Cristo) e o Espírito Santo – Êxodo 20.2-3; Salmos 145.13; Mateus 28.19-20; Lucas 3.22; Tiago 1.17.

II – O Filho, que é a Palavra do Pai, encarnou-se no ventre da virgem Maria, tomando a natureza humana, reunindo assim duas naturezas inteiras e perfeitas: a divina e a humana, para ser conhecido como verdadeiro Deus e verdadeiro homem que sofreu, foi crucificado, morto e sepultado, reconciliando-nos assim com o Pai, fazendo expiação dos nossos pecados – Lucas 1.35; João 3.31; Colossenses 1.15-20; Hebreus 4.15.

III – Jesus Cristo foi crucificado, morto e sepultado, verteu seu sangue para remissão dos pecados e regeneração dos pecadores arrependidos – Romanos 5.9; Hebreus 9.14.

IV – Cristo verdadeiramente ressuscitou dentre os mortos em seu corpo, glorificado, com todas as características da natureza humana, e subiu ao céu, assentou-se à direita do Pai, de onde há de vir para julgar os vivos e os mortos – Actos 2.32-36; 2 Timóteo 4.1; 1 João 3.2.

V – O Espírito Santo, que procede do Pai e do Filho, é da mesma substância, majestade e glória, com o Pai e com o Filho, verdadeiro e eterno Deus – Mateus 28.19; 2 Coríntios 13.13.

VI – A Bíblia que é a Palavra de Deus, foi escrita por homens divinamente inspirados. Ela é o padrão único e infalível pelo qual a conduta humana e as opiniões devem ser Julgadas – 2 Timóteo 3.16; 2 Pedro 1.19-21.

VII – A justificação se realiza somente pela fé em Jesus Cristo – Romanos 3.28; Efésios 2.8.

VIII – A santificação do salvo é uma operação realizada pelo Espírito Santo, adquirida pela fé. A santificação é obra da livre graça de Deus por meio da qual morremos para o pecado e vivemos para a justiça.

IX – O baptismo com o Espírito Santo, acto da graça de Deus, é uma experiência de revestimento de poder recebida pela fé para testemunho do evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo. Como real evidência do baptismo, manifestam-se as línguas estranhas – Lucas 3.16; 24.49; Actos 1.8; 2.5-13; 10.44-46.

X – A cura divina, os milagres, são para nossos dias também como partes integrantes da obra expiatória de Cristo – Marcos 16.17-18; Tiago 5.15.

XI – O baptismo bíblico é a imersão do crente em água, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, não como meio de salvação, mas como testemunho da mesma – João 3.23; Romanos 6.3-4; Cl 2.12; I Pedro 3.21.

XII – A Ceia do Senhor é uma festa espiritual, através da qual os salvos pelo uso do pão comum e do vinho, lembram juntos a morte de Cristo e perpetuam o sentido de sua morte até que Ele venha – 1 Coríntios 10.16; 11.23-26.

XIII – Os planos de Deus para o sustento de sua obra são: os dízimos e as ofertas. O dízimo é anterior à lei mosaica (de Moisés), na qual foi cumprido e exigido; e permanece como princípio neo-testamentário – Malaquias 3.8-10; Mateus 23.23; 2 Coríntios 9.5-7.

XIV – A Igreja visível de Cristo é uma congregação de crentes baptizados, unidos uns aos outros na fé e na comunhão do Evangelho, observando os mandamentos de Cristo, governados por suas leis, exercendo os dons concedidos pelo Espírito Santo – Mateus 18.17; 1 Coríntios 14.33; Efésios 5.23.

XV – A segunda vinda de Cristo será repentina, pessoal e pré-milenial. Nós amamos a Sua vinda e O esperamos, dizendo: “Ora vem Senhor Jesus” – Mateus 24.27-36; l Tessalonicenses 4.16-17.

XVI – No Céu haverá galardão para os santos (cristãos) e bem-aventurados por toda eternidade, e haverá punição infindável para os ímpios no lago de fogo – Mateus 25.46; 2 Coríntios 5.10; Filipenses 3.20; l Pedro 1.4; Apocalipse 22.12.